Ciganos – Lâmpadas Coloridas – Parte IV.

Parte IV: Roteiro da Intolerância.

Intolerância, Ignorância e Diferença.

Os ciganos que passam por perseguições seculares por sua maneira social singular e rígida em conceitos cheios de segredos poderão ser aceitos como povo diferente? Serão aceitos se continuarem a negar a integração na sociedade existente? Será que um dia, terão visibilidade social e econômica em países como a Itália? Existirá o dia em que vão poder comprar livremente, ter as mesmas possibilidades de trabalho, de estudo, de ir e vir e o mais importante: serão eles, em algum tempo, alvos de atitudes políticas e sociais que não neguem a tradição secular que rege sua cultura e seu modus viventis “atípico”?

É nosso dever falar do que acontece sim! E, mais do que isso, é necessário que a dita sociedade globalizada saiba que a época é muito mais de fraternidade do que de crise (e isto deve ser um movimento mundial) ou o mundo melhora ou acaba a raça humana como um todo . È responsabilidade da sociedade em geral não esquecer o passado “recente” em que a cada dia havia mais e mais necessidade de se desprender energia (política, social e bélica) diante do “diferente e inaceitável”.

Na primeira estação colorida deste texto – a citação de Paramahansa Yogananda : “as cores das lâmpadas são diferentes, mas a energia que passa por elas é igual”leva-nos a pensar em qual é o princípio que rege nossas vidas? De onde vem esta energia? A diferença não existe quando somos Humanos!

Qualquer semelhança com a realidade atual não me parece ser mera coincidência.
Busquemos fazer nossa parte para que a história não se repita…

Registro abaixo o cronograma da perseguição nazista aos ciganos (que traduzi do site http://www.callejondelpau.es/ ):

1920 – Karl Binding y Alfred Hoche, apresenta a noção de vidas indignas da vida, ” a Sugestão de que os ciganos fossem esterilizados e eliminados como gente. Esta noção, com o mesmo nome, é incorporada na teoria de raça Nazista em 1933.

1922- E durante toda a década de 1920: Todos os Ciganos em territórios alemães devem ser fotografados e tiradas suas impressões digitais. ***

1926 Em 16 de julho uma lei é estabelecida para o controle “da praga Cigana.” Este tratamento está na violação direta dos termos (condições) da Constituição de Weimar.

1927 – Na Baviera, campos especiais são construídos para encarcerar os ciganos. Oito mil ciganos são processados (pela lei) desta maneira.

1928 – Todos os ciganos são colocados debaixo da vigilância permanente da polícia. O professor Hans Gunther publica um documento no qual diz que “foram os ciganos que introduziram o sangue estrangeiro na Europa”.

1930 – Há a recomendação de que todos os Ciganos devam que ser esterilizados.

1933 – Os Nazistas introduzem uma lei para legalizar a esterilização eugenésica. Isto é visto expressamente como documento escrito para controlar “Ciganos e a maior parte dos Alemães de cor negra, ” estes descendentes das uniões entre soldados africanos e europeus a partir do período da Guerra de 1914-1918.

1934 – Os ciganos forma selecionados de janeiro e m diante para a esterilização por injeção e
castração, e enviados a campos em Dachau, Dieselstrasse, Sachsenhausen assim como outras partes. Duas leis publicadas neste ano proibiam alemães de casarem-se com “Judeus, Ciganos e Negros” .

1935- Os ciganos são sujeitos a restrição do Direito (da lei) de Nuremberg para a Proteção de Sangue y Honra. Proíbem o casamento com gente branca. A definição de critérios do que é Cigano é exatamente duas vezes tão mais rígida como aqueles definidos em qualquer outro grupo.

1936 – Em junho, o ministério de assuntos interiores para “combater o fastidio cigano” autorizou a polícia de Berlim a realizar perseguições contra estes para que não estragassem a imagem da cidade, organizadora dos jogos olímpicos.

Em julho a polícia arrastou 600 deles e os levou em 130 caravanas a um recém criado campo de internação cigano (Zigeunerlager) estabelecido no subúrbio Marzahn de Berlín. Em 12 de julho, arrastam e enviam os ciganos alemães ao campo de concentração de Dachau. O Sachsenhausen se firma como campo de concentração.

1937: A 16 de julho, acontece a inauguração do campo de concentração Buchenwald.

1938 Entre 12 e 18 de junho, Zigeuneraaufraumungswoche (” a semana de limpeza Cigana “), centenas de Ciganos em todas as partes da Alemanha e Áustria são detidos, golpeados e encarcerados.

Os ciganos primeiro são tidos como o povo a ser proibido de freqüentar a escola. A recomendação de Himmler de que certos Roma devem ser guardados (mantidos) vivos em um lugar específico com o Direito (a lei) para a Proteção de Monumentos Históricos a fim de que antropólogos possam estudá-los, é ridicularizada e nunca posta em prática.

A 13 de maio o governo alemão elabora um decreto que requer o registro de todos os ciganos sem uma direção fixa que vivem na Áustria. Antes de junho de 1938, todas as crianças ciganas com idade abaixo de 14 anos são fichados mediante suas impressões digitais.

Entre 12 e 18 de junho, se desenvolve na Alemanha a semana da limpeza cigana, como o Kristallnacht para os judeus. Em julho, o Endloesung, os planos de solução final, foram concluídos.

Entre as muitas categorias de vitimas nazistas, somente selecionaram ciganos e judeus, com argumentos raciais para a aniquilação. Somente consideravam aos judeus e ciganos “geneticamente corrompidos”. No verão alemão, enviam 1.500 homens ciganos a Dachau e 440 mulheres ciganas a Ravensbrück . Em 8 de dezembro se realiza a primeira referência “a solução final à questão cigana”, em um documento assinado por Himmler.

1939 – O decreto do partido nazista declara que “o objetivo das medidas tomadas pelo estado deve ser a separação racial de uma vez por todas da raça Cigana da nação alemã como prevenção de mistura racial. ” O escritório de Higiene Racial publica uma declaração que diz ” Todos Ciganos deveria ser tratados como de forma hereditária enferma; a única solução é a eliminação. O objetivo no entanto deveria ser a eliminação da existência deste elemento defeituoso na população. ”

1940 – A primeira ação, em massa, genocida sob a ação do Holocausto ocorre em janeiro deste ano, quando 250 crianças Romani são tidos como coelhinhos das Índias para provarem o cristal de gás de cianureto, no campo de concentração em Buchenwald. Proíbem o emprego para qualquer classe de Ciganos neste mesmo ano.

Em 30 de janeiro, em uma conferência em Berlim se toma a decisão de enviar 30.000 ciganos da Alemanha aos territórios da Polônia ocupada.

Em junho de 1940, Hitler pede a liquidação de “todos os judeus, ciganos e funcionários políticos comunistas na União Soviética inteira.”

Em novembro, é aberto um campo cigano com capacidade para 4.000 pessoas em Lackenbach.

1941 Os Ciganos são a primeira população apontada para ter proibido o direito de servir ao exército.

O Holocausto realmente começa. Oitocentos Romá são assassinados em uma ação durante a noite de 24 de dezembro em Crimea. Durante o 31 de julho deste ano, Heydrich, “o Chefe do Reich na Principal Segurança do Escritório e da administração e arquiteto da Solução nazista Final, ” põe a maquinaria do Endlosung em operação com sua diretiva ao Einsatzkommandos para ” matar a todos os Judeus, Ciganos e pacientes psiquiátricos. ”

Em 22 de março de 1941 se proíbe a assistência de ciganos e Afro-Alemães às escolas públicas.

Em 22 de junho o exército alemão invade a União Soviética. Os Einsatzgruppen começam os assassinatos totais de judeus, ciganos e líderes comunistas.

Em 31 de julho, Heydrich, principal arquiteto dos detalhes da solução final, publica suas ordens ao Einsatzkommandos “para matar a todos os judeus, ciganos e retardados mentais” Himmler publicou alguns dias depois seus critérios para a evolução biológica e racial – foi determinado que a origem de família de cada ROM havia de ser investigada remontando-se a três gerações passadas. ****

De cinco a nove de novembro, aproximadamente 5.000 ciganos foram deportados ao gueto de Lodz, onde lhes deram sua própria seção.

Em 16 de dezembro, Himmler publicou a ordem de que todos os ciganos da Europa deveriam ser deportados a Auschwitz-Birkenau para a exterminação.

Entre 29 e 30 de setembro, milhares de ciganos são assassinados em Babi Yar.

Em 24 de dezembro, Lohse deu a ordem adicional de que “aos ciganos se deve dar o mesmo tratamento que aos judeus.”

Dezembro, os Einsatzgruppen matam a 800 ciganos em Simferopol (Crimea).

1942 – Janeiro – Os ciganos sobreviventes do gueto de Lodz são deportados ao campo de morte de Chelmno e mortos.

A 14 de setembro, em uma reunião do partido, o ministro da justiça Otto Thierack anuncia que os “judeus e os ciganos devem incondicionalmente serem exterminados.”

Em 16 de dezembro, Himmler da ordem para que todos os ciganos alemães sejam enviados a Auschwitz.

1943 – Em 29 de janeiro, a RSHA anuncia os regulamentos para a colocação em prática da deportação de ciganos a Auschwitz.

Em fevereiro, finaliza a construção do “Familienzigeunerlager o el Zigeunerfamilienlager” (Campo de família para ciganos) construído em Auschwitz II, seção BIIe.

Em 26 de fevereiro, chega o primeiro carregamento de ciganos ao campo cigano em Auschwitz
(entre 26/2/1943 e 21/07/1944 encarceraram a um total de 20.967 homens, mulheres, e crianças no campo cigano. Não estão incluídos os cerca de 1.700 ciganos de Bialystok, que não foram introduzidos nos expedientes. Suspeitando-se que tinham tifo, foram enviados diretamente às câmaras de gás e exterminados).

Em  29 de março, Himmler ordena que todos os ciganos holandeses fossem enviados a Auschwitz.

1944 – Em 19 de maio, transportou-se 240 gitanos a Auschwitz procedentes de Westerbork Neth.

Em 23 de maio, aproximadamente 1.500 ciganos foram transferidos de Birkenau a Auschwitz, aonde posteriormente foram transferidos a Buchenwald.

Em 25 de maio, enviaram 82 ciganos ao campo de Flossenburg e 144 mulheres ciganas a Ravensbrueck.

Menos de 3.000 personas permaneciam no campo de família.

Nas primeiras horas do dia – 1 de agosto, quatro mil Roma são mortos por gás e incinerados em Auschwitz-Birkenau em uma ação de massas, recordada por sobreviventes.

Entre 2 e 3 de agosto, 2.897 ciganos foram mortos com gás e incinerados en Auschwitz-Birkenau.

1945 – Até o final da guerra, entre 70 % e 80 % do povo Romani havia sido aniquilado por Nazistas. Não chamaram nenhum Roma para apresentar em Nuremberg provas em juizo, e ninguém veio depois fazer alguma declaração em seus nomes. Nenhuma reparação de crimes de guerra foram pagas aos Romá.